Afinal, como reduzir custos na safra agrícola? | Tecnologia para agricultura - Blog da Jacto

Afinal, como reduzir custos na safra agrícola?

O custo da safra agrícola é uma das principais preocupações do produtor rural. Afinal, altas despesas podem comprometer sua vantagem competitiva no mercado e fazer seu negócio ruir. Por isso, muitos têm buscado identificar as fontes de desperdício na produção e avaliar formas de otimizar os processos. Mas como isso é possível?

Para o empreendedor ver o crescimento do seu negócio, é essencial que ele saiba mensurar os custos da sua safra agrícola e aplicar métodos e tecnologias que otimizem sua gestão. E é sobre isso que vamos falar neste post. Acompanhe!

Primeiro, entenda seus custos por safra

Para reduzir os custos, antes é necessário entendê-los. E o primeiro passo nesse sentido é compreender os processos de produção desde a compra dos insumos até a venda dos produtos. Veja como fazer isso.

Mapeamento das tarefas

Para calcular os custos, é preciso desenhar os processos de produção desde a preparação do solo até a comercialização da safra. Quanto mais detalhes estiverem presentes nesse mapeamento melhor. Entre os principais elementos que devem estar elencados nessa etapa, estão:

  • insumos agrícolas;

  • tarefas e serviços que demandam custos;

  • pagamento de mão de obra;

  • despesas com as máquinas.

Terminada esta primeira fase, o produtor terá em suas mãos todas as informações necessárias para entender o que será necessário em termos de custos para alcançar seus objetivos. Por isso, é importante que as tarefas estejam organizadas de modo lógico e com dados exatos. Isso ajudará a evitar que surjam imprevistos e retrabalho.

Além disso, o mapeamento de processos permitirá ao empreendedor rural compreender as tarefas mais críticas da produção, direcionando suas decisões estratégicas em relação à safra atual. Após isso, o gestor poderá avaliar os custos dos elementos específicos da safra.

Insumos agrícolas

Entram no cálculo apenas os insumos utilizados para aquela safra específica e não todo o material que está no estoque. Por exemplo, se foram comprados 300 kg de fertilizantes, mas foram usados 270 kg, então somente este último valor entrará na apuração.

Digamos que se trate do NPK 10-10-10, com um custo de R$ 4,99/kg. O preço final dos 300 kg seria R$ 1.497,00. No entanto, só seriam contabilizados os R$ 1.347,30 referentes aos 270 kg utilizados naquela safra.

Embora os 30 kg sejam incluídos como custo do negócio como um todo, não será aplicado àquela safra específica.

Máquinas agrícolas

Para avaliar os custos dos equipamentos usados em uma safra agrícola, é necessário levar em conta diversas variáveis, como:

  • preço do equipamento novo;

  • quantidade de máquinas utilizadas;

  • horas trabalhadas por hectare;

  • preço do combustível;

  • vida útil do bem;

  • gastos com manutenção.

Todas essas informações entram no cálculo dos custos da produção, tenham as máquinas sido compradas à vista ou a prazo. Em ambos os casos, é contabilizada apenas uma fração do valor total.

Mão de obra

Aqui entram salários, encargos trabalhistas, benefícios, horas extras etc. É necessário, contudo, fazer um cálculo das horas que os funcionários dedicaram à produção. Logo, os elementos citados devem ser proporcionais ao tempo empregado na safra.

A partir dessas informações, o produtor poderá compreender os custos relacionados à sua produção atual e, assim, tomar medidas estratégicas para eliminar desperdícios, como veremos a seguir.

Elimine o desperdício na lavoura

O desperdício na produção pode ter diversas fontes, como:

  • insumos e produtos parados no estoque, com datas de vencimento passadas etc.;

  • esquemas de escoamento, rotas e transporte mal planejado, elevando o tempo de espera dos produtos;

  • tarefas e movimentação de operadores mal planejadas, resultando em erros;

  • processos falhos ou redundantes que não trazem benefícios ao produto nem ao consumidor final, apenas aumentando os custos e desperdiçando recursos;

  • problemas e erros nos equipamentos e falha humana.

Em vista disso, surgiram alguns métodos que visam identificar e eliminar essas falhas, a fim de evitar desperdícios que elevam os custos da safra. Vamos conhecer alguns deles.

Método lean

O método lean foi idealizado pelo engenheiro japonês Eiji Toyoda. Ele desenvolveu o sistema Toyota de Produção, que consiste em uma série de práticas que buscam o aumento da eficiência e eliminação de perdas, com consequente redução de custos.

Aplicando ao agronegócio, o método lean visa identificar fontes de desperdício e cortar aquilo que não agrega valor aos produtos. Dessa forma, a produção se torna mais enxuta. O objetivo é sempre manter uma melhoria contínua dos processos. E como conseguir isso? Por meio dos indicadores de desempenho.

Esses valores são dados numéricos que revelam informações importantes sobre a produção, o negócio e seus resultados. Por meio de tais índices, o produtor rural conseguirá avaliar o desempenho da safra e identificar onde estão as falhas ou os pontos que podem ser aprimorados.

A aplicação dessa metodologia no campo se torna ainda mais necessária em virtude do avanço tecnológico e da complexidade dos processos do setor. Sem uma avaliação contínua, com dados exatos e claros, fica praticamente impossível entender o negócio e tomar ações estratégicas. Por isso, esses indicadores são tão importantes. Os principais deles utilizados na agricultura são:

  • índice de produtividade: quantidade de sacas produzidas em relação ao tamanho da área de produção (kg/ha);

  • índice percentual de qualidade da produção, calculado pelo número de sacas de qualidade produzidas dividido pela quantidade de sacas produzidas multiplicado por 100;

  • margem percentual de lucro em cima dos custos de produção: baseado no lucro retirado na produção de 1 saca dividido pelos custos de produção da saca multiplicado por 100.

Para realizar o levantamento desses dados, é importante contar com instrumentos capazes de coletar e analisar os dados de modo preciso e ágil. É neste momento que entra em cena a agricultura de precisão, recurso fundamental para a eliminação de desperdícios e redução de custos.

Agricultura de precisão

A agricultura de precisão (AP) é uma metodologia de gestão agrícola que lança mão de informações precisas coletadas a partir de vários equipamentos e técnicas. Esses registros são analisados e servem de base para a tomada de decisões. Pode-se dizer que é uma forma de gerenciamento que leva em conta cada m² da propriedade, buscando dados sobre a lavoura, o solo e clima para controlar, por exemplo, a aplicação de insumos na quantidade e nos locais corretos.

Essa prática colabora grandemente para a eliminação de desperdícios em todas as fases da produção, desde o preparo do solo até a colheita e escoamento da safra agrícola. Tudo isso é possível graças, principalmente, ao investimento em tecnologia em forma de componentes de hardware e software. Sim, é necessário investir. Entenda como.

Invista no que é necessário para otimizar

Ao empregar recursos em tecnologias, o produtor consegue monitorar e otimizar os processos que compõem o ciclo da produção. Além disso, será possível levar em conta os diversos fatores que influenciam a safra agrícola ao avaliar seu desempenho. Esse investimento pode ser realizado por meio da aquisição de maquinário e sistemas de gerenciamento e análise.

Existem no mercado veículos agrícolas que abarcam tecnologias de alta precisão. Essas máquinas são capazes de reduzir o desperdício de insumo em até 98%.

Um exemplo é a adubadora Uniport 5030 NPK, que conta com reservatório de 5 mil litros de capacidade e faixa de aplicação de até 50 metros. Neste equipamento, a dosagem é realizada por esteira dosadora com controle de rotação e comportas com abertura e fechamento automáticos, alcançando um erro máximo na dosagem de 2%. Essas funcionalidades fazem, portanto, com que a máquina garanta maior precisão na dosagem e uniformidade na aplicação de fertilizantes.

Não há dúvidas que hoje a tecnologia se tornou um dos melhores caminhos para reduzir os custos na safra agrícola e otimizar os processos de produção. Ela dá ao produtor as ferramentas e os dados necessários para ele entender o seu negócio e planejar as atividades com maior eficiência operacional.

Quer continuar informado sobre as melhores práticas do agronegócio? Então, assine nossa newsletter e receba nosso conteúdo diretamente no seu e-mail!

Comments (1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This