Software para agricultura de precisão: o guia definitivo | Tecnologia para agricultura - Blog da Jacto

Software para agricultura de precisão: o guia definitivo

Assim como diversas outras áreas, a agricultura vem passando por uma revolução em sua dinâmica de produção, graças aos avanços da tecnologia. A agricultura de precisão disponibiliza estratégias muito eficientes para a completa gestão das atividades no campo. Os benefícios são muitos e já é possível dizer que a tecnologia dominará o mercado em pouco tempo.

Entretanto, é comum que surjam dúvidas a respeito de seu funcionamento, já que essas ferramentas dependem de um sistema específico de controle. Pensando nisso, desenvolvemos este guia definitivo sobre software para agricultura de precisão. Nele, esclareceremos todas as suas questões sobre o assunto, além de mostrar por que é um investimento que vale a pena. Confira!

Por que apostar em um software de agricultura de precisão?

Em primeiro lugar, é interessante conhecer os benefícios que um sistema desse tipo tem a oferecer. Não se trata apenas de uma modificação no modo de gerenciar a agricultura, transformando as práticas por meio da tecnologia. As vantagens vão muito além disso. Portanto, trouxemos aqui alguns dos principais benefícios.

1. Facilitação da gestão a distância

Não basta melhorar os padrões de produção de alimentos, é preciso também otimizar o controle sobre tais processos. É esse o objetivo do desenvolvimento de novas tecnologias em prol da agricultura de precisão. E um dos grandes benefícios trazidos pelos softwares especializados nessa tarefa é, justamente, facilitar a gestão à distância.

Com o envio e o recebimento de dados em tempo real, seja por uma rede Wi-Fi ou de celular (GPRS), a integração das informações é muito mais eficaz. Isso permite que os gestores do setor a ser trabalhado acompanhem todo o processo, desde o plantio até a colheita — incluindo etapas intermediárias, como a pulverização.

A indústria já aplica essa estratégia de unificar o controle das informações há algum tempo. Agora, a agricultura ganha essa poderosa ferramenta para simplificar o manejo de seus processos.

2. Otimização do uso dos recursos

Automatizar certos procedimentos sempre foi uma estratégia interessante para melhorar a produtividade. Entretanto, isso costumava ser um desafio para a agricultura, mesmo com o desenvolvimento das máquinas de plantio e colheita. Agora, esse processo alcançou um novo patamar.

O uso dos recursos é otimizado por meio de uma gestão eficiente graças à utilização de mapas inteligentes. Eles são elaborados pelo software e mostram, por exemplo, o volume de pulverização ao longo da área, assim como a velocidade de aplicação, as faixas de horários etc.

O controle se torna bem mais eficaz conforme o responsável pela gestão obtém ferramentas e informações relevantes sobre todo o processo.

3. Uniformidade na produção

Ao mesmo tempo, a produção se aproxima bastante de um cenário ideal de uniformidade. Cada tipo de alimento tem seu próprio tempo para colheita e, obviamente, ele varia de acordo com a área, o clima, a exposição ao sol e à sombra etc. A pulverização também interfere nesse ciclo e, por muito tempo, o resultado foi uma colheita baseada na média de desenvolvimento ou então em uma avaliação feita a olho.

Agora, com o controle da pulverização e de diversos outros fatores, é possível trabalhar em busca de mais uniformidade na produção. Além de um maior domínio sobre irrigação e pulverização, a tecnologia permite estudar o crescimento da plantação com embasamento em informações. Com isso, chega-se a uma colheita de maior qualidade e menor variação no desenvolvimento orgânico.

4. Redução de custos

Não podemos pensar em qualquer modificação a ser implementada em um processo de produção sem levar em conta os custos envolvidos. Nesse sentido, contar com um software para agricultura de precisão é uma forma eficiente de trazer melhores retornos financeiros ao negócio agrícola.

A otimização dos recursos não tem como único resultado uma colheita de qualidade maior. Ela provê, também, uma redução nas despesas com o plantio e com a manutenção dos equipamentos, já que eles passam a trabalhar em um regime mais adequado e com menos imprevistos. 

5. Aumento dos lucros

Consequentemente, os lucros tendem a ser maiores. Aliar qualidade no produto final à redução de custos na produção é a melhor estratégia para aumentar a margem de lucro.

Vale lembrar que a agricultura de precisão é uma tendência que logo deve dominar o setor da agricultura. Quem não conseguir se adaptar corre o risco de, em pouco tempo, perder o potencial competitivo e ver seus custos de produção ficarem bem maiores do que a média dos outros produtores.

O software oferece um banco de informações que possibilita o escalonamento de sua produção de forma inteligente. Confiar em um sistema desenvolvido especificamente para a coleta e o processamento desse tipo de informação é muito mais eficiente do que fazer uma análise de incontáveis hectares de plantação sem a profundidade analítica necessária.

6. Armazenamento de informações

Outro fator importante que gera benefícios indiretos é o armazenamento de informações que o software fornece. Todo o histórico das colheitas é conservado, assim como as etapas de cada processo, para que seja possível estudar melhorias a serem implementadas.

O sistema oferece mapas de produtividade que indicam de que forma, onde e quando ela pode ser maximizada.

7. Redução dos riscos a danos ambientais

Sabemos que um fator essencial à manutenção de uma pulverização de qualidade é a preservação do meio ambiente na região de plantio. Esse é um dos grandes desafios e demanda grande esforço de todos os envolvidos. Nesse contexto, os softwares para agricultura de precisão têm um papel importantíssimo na busca por esse objetivo.

O primeiro ponto a ser destacado é o combate à contaminação da água. Com um controle maior sobre o uso desse recurso, é possível reduzir os riscos de contaminação de determinadas áreas e dos lençóis freáticos.

Com o uso dessa ferramenta, os benefícios são muitos. Entretanto, é interessante saber exatamente quais as necessidades que precisam ser atendidas  para a correta escolha do software. Discutiremos essa questão a seguir.

O que procurar nesse sistema?

Este é um tópico importante para guiar quem procura por um software específico. Por mais que existam diversos sistemas capazes de gerenciar um projeto de agricultura de precisão, alguns fatores são fundamentais a fim de garantir que ele realmente seja uma inovação no cultivo, e não apenas um acessório.

Por isso, analise com cuidado cada um dos itens abaixo, para que não restem dúvidas.

1. Georreferenciamento

Se estamos lidando com incontáveis hectares de terra, é fundamental ter uma referência geográfica para cada um dos processos. Afinal, por mais que sejam muitos os dados úteis para auditar o desempenho do plantio e da colheita, trabalhar com esses números de maneira bruta pode fazer com que alguns detalhes passem despercebidos. Com uma referência visual do espaço geográfico, essa tarefa fica fácil e erros são evitados.

Entretanto, pode não ser tão simples compreender esse fenômeno de forma generalizada. Pensando nisso, traremos alguns exemplos práticos.

1.1 Mapas para gestão de pulverização

A pulverização é fundamental para o sucesso da produção, como já citamos. Por isso, é possível encontrar um software eficiente que facilite a gestão desse processo. E um ponto-chave de sua interface é que ele oferece mapas inteligentes, todos eles baseados na delimitação do espaço geográfico no qual sua agricultura se desenvolve.

O mapa de volume aplicado traz uma comparação entre o volume planejado de pulverização e o volume aplicado. Com uma visão geral da cobertura de pulverização e uma escala que destaca os volumes aplicados, é possível identificar possíveis desvios entre o que foi planejado e o que foi executado, tudo isso em litros por hectare.

Em outra opção da interface, é possível verificar a sobreposição de pulverizações, igualmente em busca de conferir se foram planejadas ou não. Vale destacar também os mapas que exibem a velocidade de pulverização e a faixa de horário.

No primeiro, você pode analisar se houve uma demora em certos pontos, ou mesmo se a pulverização foi rápida demais. A velocidade interfere no tamanho das gotas e em sua deriva. No caso da faixa de horários, é possível analisar desde a coerência entre os horários planejados e executados na pulverização até a jornada de trabalho dos funcionários envolvidos.

Tudo isso para que você tenha controle de todas as etapas do processo e possa avaliar o desenvolvimento do plantio.

1.2 Mapas de condições climáticas

Não é preciso dizer que o clima pode ser amigo e inimigo de uma plantação. Por isso, estar atento às suas variações é fundamental. Com um software implementado, os equipamentos passam a colher informações durante o procedimento de pulverização e retornam os dados em formato de mapa.

É possível verificar, por exemplo, a umidade relativa do ar em qualquer ponto do talhão no qual a pulverização tenha sido realizada. Outra registro é a temperatura ambiente. Com esses mapas em mãos, você pode avaliar as condições climáticas e checar se os horários da pulverização atuais são os mais adequados e ajustá-los com precisão, mesmo que sejam necessárias pequenas variações ao longo do ano.

1.3 Mapas de desempenho mecânico

Não podemos nos esquecer de que os equipamentos têm uma função importante nos processos da agricultura. E não basta considerar o trabalho realizado em condições ideais. É preciso levantar informações sobre eventuais falhas.

Uma relação interessante a ser feita — e que é possível por meio de um software — é a do desempenho ao longo do terreno. Por isso, alguns sistemas oferecem mapas de temperatura do motor, nos quais você verifica em quais locais foi exigido maior esforço, assim como aqueles onde ele se saiu melhor. Isso vale também para o mapa de consumo de combustível. Já pensou em reduzir custos com sua pulverização simplesmente reajustando o trajeto das máquinas?

Outra opção interessante é o mapa de eventos e paradas. O operador que precisar fazer uma parada, seja qual for o motivo, pode indicar no painel a causa. Assim, o sistema registra essas informações juntamente ao horário, local e duração. Isso proporciona um controle maior sobre tempo de abastecimento, troca de operadores, refeições e manutenções.

Uma boa gestão precisa otimizar tempo e o gasto nas manutenções de seus equipamentos, para que o custo não se torne prejuízo.

2. Relatórios

É importante ressaltar que, hoje em dia, qualquer software que se disponha a auxiliar a gestão de produção deve fazer mais do que automatizar processos. Na agricultura, isso significa que não basta um local para visualizar sua plantação no mapa e definir estratégias de plantio. É essencial contar com informações relevantes e que os dados coletados sejam expostos de forma inteligente, em relatórios.

Imagine uma produção de cana, com suas linhas demarcadas para o plantio. Um software eficiente é aquele que permite a projeção das linhas e, após realizada a colheita, ofereça um relatório comparativo entre o projetado e o executado.

Essas informações ajudam no planejamento do próximo plantio, para que a utilização do terreno seja otimizada. E esse é apenas um exemplo simples de suas aplicações. Diversos relatórios podem auxiliar na gestão da agricultura de precisão, pois é com base em dados reais que ela deve funcionar.

Estamos falando de plantio, pulverização, colheita, logística, manutenção etc.

3. Análise de dados

Seguindo essa lógica, o sistema deve ser capaz de fazer uma análise dos dados coletados para expor as informações úteis em relatórios, seja com a utilização de mapas ou de gráficos. Chamamos aqui a atenção ao segundo caso.

Gráficos de volume aplicado, área sobreposta, velocidade média e eventos diversos são alguns dos meios de analisar essas informações para cada máquina de forma independente. Em complemento aos mapas, eles servem para otimizar as tomadas de decisão em relação aos próximos ciclos, aumentando o rendimento da produção.

Entretanto, é preciso ter cuidado! Contar com um sistema tecnológico de última geração exige atenção ao lidar com as informações que ele oferece. Por isso, mostraremos a seguir de que maneira os dados devem ser analisados.

Como analisar os dados

Para que simples dados se transformem em informações, é necessário um sistema que os agrupe de forma inteligente. Dessa forma, o gestor tem uma visão clara do que eles mostram e é capaz de interpretá-los. O software para agricultura de precisão pode desempenhar essa função. Ainda assim, cabe ao gestor saber para onde.

Importância da estatística

Análises estatísticas são uma excelente maneira de melhorar processos de produção. Ela ajuda a explicar não só algumas constantes, mas também variações em determinados fenômenos mensuráveis. Quando o assunto é a agricultura, identificar onde aplicar tal lógica não é tarefa tão fácil. Portanto, o software serve como um meio de unir os benefícios da estatística com a realidade do ambiente de plantio.

Falaremos aqui sobre algumas formas de lidar com os dados, dando a devida atenção a eles no momento da análise, para que o resultado seja uma atuação eficiente sobre os processos de agricultura utilizados.

Definição de métricas

A definição de métricas específicas é fundamental para que as informações sejam comparáveis e a estatística seja aplicável a elas. Em lavouras em geral, quem pratica a agricultura de precisão costuma implementar veículos aéreos não tripulados (VANTs) ou drones a fim de realizar a coleta de dados. Se você conta com um software específico, isso pode ser feito até mesmo pelos equipamentos já em circulação, de acordo com a tecnologia de cada um.

Para ter uma ideia das métricas que podem ser implementadas, trataremos de um assunto já citado aqui: a pulverização. Com os dados levantados pelo software em relação à pulverização do terreno, o agricultor pode aplicar uma série de cálculos estatísticos para extrair informações úteis.

Um bom exemplo é a relação entre as partes do terreno onde houve sobreposição e o tamanho total da área. Com um cálculo simples de porcentagem, é possível identificar se há formas mais eficientes de realizar o processo, para que a sobreposição não resulte em desperdício de recursos e, consequentemente, de dinheiro.

Essa é uma maneira de unir a tecnologia na tomada de decisões do agricultor. Imagine os mapas que o software pode oferecer e de que forma a estatística pode ser uma importante aliada na interpretação das informações dadas por eles.

Outro bom exemplo é a adubação. Com o uso de mapas aliado a métricas específicas para o crescimento do plantio, o software ajuda a destacar as áreas em que a produção tem sido eficaz. O ajuste na adubação ganha em precisão, possibilitando que todo o terreno seja produtivo de forma equivalente.

Análise com base em experimentos

Em geral, não lidamos 100% do tempo com uma agricultura totalmente estabelecida. Em geral, os terrenos sempre apresentam partes específicas em desenvolvimento, seja por aumento do espaço destinado ao plantio ou por mudanças no tipo de alimento produzido.

Seja qual for a razão, sabemos que existe a necessidade de, no mínimo, adequação do terreno para que o plantio dê bons resultados. Em alguns casos, é preciso até mesmo tornar fértil o terreno que não era antes destinado a esse fim específico. Por isso, o processo de experimentação do plantio pode ser complicado se for realizado sem o devido suporte tecnológico.

Pegar um terreno desconhecido e adubá-lo para fornecer os nutrientes necessários ao plantio pode não ser tão eficiente se não conhecermos bem suas condições atuais. Em alguns casos, a necessidade de adubo pode ser bem menor do que a esperada.

Para que os experimentos corram com sucesso, é importante aplicar análises estatísticas para aquele tipo específico de cultivo. Se o objetivo for conhecer melhor as condições do solo, por exemplo, certos modelos estatísticos ajudam a avaliar o trabalho que vem sendo feito e, também, a identificar possibilidades de melhoria.

A Análise de Variância (ANOVA) é muito utilizada em experimentos desse tipo. Ela é útil para identificar, em um determinado terreno, a influência dos fatores controlados pelo agricultor. Ela pode sofrer variações que impactam diretamente no resultado da produção.

Assim, aplicar essa análise permite que o experimento alcance um bom nível de satisfação no cultivo designado para o local.

Histórico e vantagens

Uma tendência clara da agricultura de precisão é a utilização de big data na gestão das plantações. Esse conceito diz respeito à ampla coleta de dados a fim de que, por meio de softwares especializados, seja possível extrair informações relevantes para que o agricultor melhore cada uma das rotinas.

Ao mesmo tempo em que a produtividade cresce cada vez mais, o desperdício e os próprios custos para produção diminuem, graças à otimização dos processos. Além disso, essa verdadeira revolução tecnológica na agricultura traz uma interessante ferramenta da qual outros setores produtivos, como a indústria, já tiram bastante proveito.

Aliar dados extraídos da plantação a métricas específicas e softwares voltados à gestão desse sistema fornece, como consequência, um banco de informações relacionadas ao histórico do local. Um sistema de agricultura de precisão deve contar com uma forma de armazenar esses dados, a fim de que eles possam ser acessados sempre que necessário.

Relatórios específicos podem comparar as condições atuais no plantio com as verificadas há meses ou anos.

Esse mesmo processo já pode ser visto no modelo atual de cultivo, é claro. Entretanto, sua acurácia não chega nem perto da oferecida pela agricultura de precisão. Com dados coletados por sistemas tecnológicos, o histórico passa a ser uma verdadeira mina de ouro para a tomada de decisões.

Eventualmente, se uma mudança no plantio for cogitada, é possível avaliar as condições do solo e do ambiente no histórico, para que uma avaliação seja feita de maneira muito mais acertada. Chega de arriscar novas alternativas sem um embasamento em dados exatos.

Analisar essas informações com auxílio da estatística, por exemplo, permite que o agricultor identifique qual é a cultura adequada às condições geográficas e meteorológicas disponíveis, incluindo o melhor tipo de fertilizante, o modelo de plantio e pulverização etc.

Os resultados são bastante positivos. Tudo isso só é alcançado, é claro, com o suporte de um software para agricultura de precisão. Faça uma avaliação em seu cultivo e veja de que forma ele pode ser a solução que você buscava a fim de aumentar a produtividade!

Quer mais conteúdo sobre o tema? Então inscreva-se na newsletter e conheça as tendências tecnológicas para a agricultura com a Jacto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This