Habilidades agricultor: confira 6 delas que você precisa desenvolver!
habilidades agricultor

6 habilidades que um bom agricultor deve desenvolver

A boa administração de uma propriedade rural e sua lucratividade estão intimamente relacionadas às habilidades do agricultor. O agronegócio evoluiu bastante nos últimos anos, e a inserção de tecnologias digitais e novos conhecimentos modificaram o perfil desse profissional.

Para se manter competitivo e fazer com que o negócio prospere, é fundamental desenvolver competências que auxiliem o gestor em suas decisões estratégicas sobre a lavoura.

Por isso, neste post vamos destacar 6 habilidades que todo agricultor precisa desenvolver para garantir o sucesso da sua propriedade. Acompanhe!

1. Competência técnica

A competência técnica se refere à capacidade de saber realizar os melhores e mais recomendados métodos em sua lavoura — não é o mesmo que o conhecimento acadêmico. Um aluno, por exemplo, pode ter todo o saber necessário para resolver os problemas na fazenda, mas se não tiver a prática, o conhecimento terá pouco valor.

Por isso, a competência técnica não demanda do agricultor uma formação acadêmica, mas um conhecimento aprofundado, atualizado e prático.

Apesar disso, não se trata apenas de experiências ou de tempo de serviço com determinada cultura. São comuns situações em que a vivência não é suficiente para garantir um bom desempenho da safra ou mesmo para bater de frente com a competência técnica. É sim necessário estudo, atualização e conhecimento sobre as técnicas e tecnologias mais adequadas para cada situação.

2. Competência interpessoal

Ter competência interpessoal significa saber se relacionar bem com a equipe de trabalho, com parceiros, fornecedores etc. Esse relacionamento traz mais qualidade de vida ao trabalho, além de prazer, saúde e alegria.

Essa habilidade do agricultor é indispensável, uma vez que, na fazenda, o gestor não trabalha sozinho: ele precisa de profissionais treinados, motivados e satisfeitos. Isso pode determinar em grande parte o nível de qualidade das operações realizadas.

Em um ambiente em que o gestor sabe lidar com as pessoas, a comunicação acontece mais facilmente, todos falam o que pensam e sentem, dão sugestões para aprimorar os processos e se sentem parte do ciclo produtivo. Gera-se, então, um espírito de equipe que contribui para a eficiência das operações.

3. Competência cultural

O agricultor que tem essa habilidade garante um saber mais amplo sobre sua atividade. Ele não limita seu conhecimento à sua propriedade, mas tem interesse no que está acontecendo no mundo, na sua cidade e na economia do seu país — especialmente no que se refere ao seu setor de atuação.

Para ampliar essa competência, o produtor consome conteúdos por meio de noticiários no rádio e na TV, em jornais, blogs especializados no setor, sites do governo, além de feiras relacionadas ao agronegócio.

A competência cultural é especialmente útil para o agricultor empreendedor, uma vez que o permite estar mais qualificado e munido para dialogar com parceiros e concorrentes. Isso lhe garante mais competitividade e acerto na tomada de decisões.

4. Resiliência

A resiliência é um conceito da física que se refere a materiais capazes de sofrer forte pressão e, mesmo assim, voltar ao seu estado normal, sem maiores danos — é um atributo ligado à flexibilidade de um objeto. 

Os psicólogos tomaram emprestado esse termo para caracterizar a capacidade de uma pessoa ser flexível diante de uma adversidade ou dificuldade. Por que essa precisa ser uma das habilidades do agricultor?

Sabemos que o agronegócio é um setor de risco. Diversos fatores podem gerar incertezas quanto à produtividade e à lucratividade da propriedade, tais como o clima, a volatilidade do câmbio e a proliferação de pragas. Para lidar com essas adversidades, o produtor precisa ser resiliente para suportar com esforço e perseverança a cada ano. Essa é uma qualidade que ajuda o agricultor a aguentar o baque e se reconstruir para continuar quando as coisas não vão bem.

A resiliência também tem um papel importante no produtor rural em sua atuação como líder. Lidar com pessoas pode ser bem estressante em algumas situações, principalmente como gestor, mas o líder com forte resiliência é capaz de controlar seus impulsos. Além disso, consegue se manter otimista mesmo que a situação não seja tão favorável. Isso cria um clima motivador para sua equipe.

5. Habilidades mecânicas e de reparação

A agricultura é, hoje, dependente da mecanização. Falhas nos equipamentos podem paralisar todas as operações e atrasar o cronograma. Por isso, o agricultor precisa saber fazer a manutenção das suas ferramentas, aplicando as recomendações de especialistas e do fabricante.

Embora ele não seja um profissional mecânico, é necessário que ele seja capaz de fazer pequenas intervenções de rotina — não somente no maquinário, mas nas instalações como prédio, encanamentos, elétrica e pequenos equipamentos mecânicos.

Essas habilidades do agricultor o ajudam a economizar dinheiro e não perder tempo esperando reparos. Além disso, a correta operação e a manutenção preventiva adequada podem prolongar a vida útil das máquinas, garantir o melhor desempenho operacional e reduzir custos com consertos e substituições de equipamentos.

6. Proficiência em gerenciamento de tempo

O tempo do agricultor vale muito, e o que foi perdido não pode ser recuperado. Normalmente esse é o profissional que trabalha de sol a sol durante as temporadas de plantio e colheita. Nessas épocas de intenso trabalho, não é possível se dar ao luxo de tirar folgas ou sair mais cedo. Fazer isso poderia gerar perda de oportunidades importantes, afinal, o calendário agrícola não espera. É preciso aproveitar o tempo certo.

Saber respeitar o calendário e as janelas de plantio e colheita, adotando as tecnologias e práticas que otimizem o trabalho, contribuiu para que o agricultor atenda à demanda do mercado e às necessidades da sua lavoura.

Essa série de competências é especialmente importante em propriedades familiares, onde ele é dono e gestor do próprio negócio. Segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, 84% dos estabelecimentos rurais são de base familiar, gerando uma receita de US$ 55,2 bilhões — acima de países como Rússia e Turquia. Os produtos agroecológicos têm feito esse percentual aumentar ainda mais.

Por esse motivo, essas habilidades do agricultor precisam ser desenvolvidas, de forma a refletir diretamente na produtividade da propriedade e, consequentemente, na lucratividade do negócio. Investir nesse crescimento pessoal e profissional agora, portanto, poderá definir em grande parte o futuro da empresa rural, independentemente do seu porte.

Gostou das dicas? Que tal receber novos conteúdos para ajudar a aprimorar a sua gestão rural? Assine a nossa newsletter e receba novidades diretamente na sua caixa de e-mails!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This