Horticultura: conheça perspectivas de mecanização para o setor!
horticultura

Conheça perspectivas de mecanização da horticultura

Assim como outros setores da agricultura brasileira, a horticultura vive um momento de transformação, com a introdução de novas técnicas e tecnologias que estão potencializando os resultados de produtores de todos os portes.

Diferentemente de uma lavoura de grãos, como soja e milho, em que as máquinas já predominam e boa parte do trabalho é mecanizado, nas hortas e pomares ainda existe muito trabalho manual. Mas a expectativa é que isso mude nos próximos anos, já que esses equipamentos estão cada vez melhores e mais acessíveis.

Neste artigo, falaremos sobre as perspectivas de mecanização da horticultura no Brasil. Continue lendo para saber mais!

Particularidades da horticultura

Quando se fala em horticultura, muitas pessoas pensam apenas em hortaliças e legumes. Mas esse ramo engloba várias outras subdisciplinas, como a fruticultura, floricultura e silvicultura.

No Brasil, é seguro dizer que o nascimento da horticultura aconteceu antes da chegada dos colonos português: povos locais já plantavam e colhiam mandioca, batata-doce, erva-mate e frutas, como o caju, o maracujá e a jabuticaba.

Depois de 1500, se somaram a essas os cultivos de hortaliças e os frutos de origem estrangeira, como os muitos cultivares de couve, laranjas e tantas outras espécies que hoje se fazem presentes tanto nas hortas quanto na alimentação brasileira.

Na horticultura, o volume da produção não é tão elevado como nos grãos, mas o valor agregado em cada hectare é alto. Por outro lado, o custo para cultivar também é maior e o manejo, mais complexo.

A perecividade dos produtos da horticultura também impacta consideravelmente a produção, já que não é possível estocar a colheita por muito tempo. Na olericultura, por exemplo, que engloba todas as hortaliças, um dos grandes desafios é a logística para levar o produto o mais rápido possível para a mesa do consumidor final.

Também por isso, muito da produção na horticultura parte de produtores menores, mas que estão em localizações estratégicas, seja pela proximidade com grandes centros urbanos, seja pela facilidade de transporte. Um exemplo que tem essas duas características é o cinturão verde no entorno de São Paulo, onde se concentra uma parcela expressiva dos horticultores brasileiros.

Evolução da mecanização na horticultura

A complexidade do manejo na horticultura exige máquinas especializadas e, muitas vezes, a delicadeza e a diversidade das hortas e pomares impede a utilização de determinados equipamentos.

Por outro lado, a crescente demanda pressiona os produtores por mais produtividade e, com a mecanização, é possível reduzir custos com mão de obra e produzir mais. Isso significa que, mesmo que nem sempre seja possível colocar um equipamento com tração motorizada no campo, o uso de adubadoras menores, tesouras de poda  e pulverizadores costais já encontram espaço com boa parte dos produtores.

Em um passado recente, a presença de tecnologia na horticultura era relativamente baixa, quando comparado com outros ramos da agricultura. Estufas climatizadas e o cultivo hidropônico até fazem uso de diversos equipamentos há algumas décadas, mas nada tão expressivo como uma lavoura de soja, em que tratores automatizados dão conta de todo o trabalho pesado.

Mas esse cenário vem mudando com velocidade. Seja na forma de podadores à bateria, como o JACTO PR-40, que conta com sete sensores internos que possibilitam o corte progressivo com precisão e força calculada, seja com pulverizadores costais, como o JACTO PJM-20, com motor à combustão Honda e pressão máxima de 360 psi/24,8 bar. Essas duas ferramentas podem até parecer com o que já é utilizado há décadas na área, mas a tecnologia embarcada faz com que sejam bem mais avançadas do que os equipamentos comuns.

Além das máquinas e dos equipamentos, a tecnologia também se faz presente na horticultura com ferramentas tecnológicas, como o SmartSET, que ajuda o agricultor na dosagem e faixa de aplicação de fertilizantes.

Os investimentos em mecanização na horticultura já estão começando a decolar, e a expectativa é que eles só cresçam nos próximos anos, possibilitando avanços significativos na produtividade e competitividade dos produtos.

Tendências para os próximos anos

A mecanização deve avançar na horticultura em várias frentes nos próximos anos. E talvez uma das mais importantes é a área dos veículos agrícolas autônomos, os VAAs. A Jacto, por exemplo, já trabalha em um protótipo de pulverizador autônomo, o JAV, desde 2008.

Na fruticultura e em outras culturas perenes, VAAs em teste já são capazes de percorrer pomares inspecionando árvores em busca de pragas e qualquer tipo de alteração significativa.

Por meio de sensores e câmeras, a máquina sabe qual tipo de ameaça está presente e, se já for preparada com o produto, pode aplicar um defensivo adequado, na dosagem certa.

Colhedores autônomos também estão em desenvolvimento para agilizar e reduzir os custos de colheitas na horticultura, que hoje são praticamente todas feitas manualmente.

Enquanto a era dos veículos autônomos ainda não chega com tanta força na horticultura, os drones, que são veículos aéreos não tripulados, já são utilizados como ferramenta para mapear o terreno e vistoriar a produção com uma privilegiada visão área.

Essa tecnologia é ainda mais poderosa quando aliada à agricultura de precisão, que já é bem forte na produção de grãos, mas ainda está dando os primeiros passos na horticultura.

Com o crescimento da mecanização na horticultura, a expectativa é que uma demanda dos consumidores de mais variedade no sacolão seja atendida. Hoje, a alimentação é restrita a relativamente poucas espécies de hortaliças, frutas e legumes.

Quem produz com mais variedade também precisa investir mais, tanto em tecnologia quanto em técnicas diferenciadas para cada cultivo. Mas com a mecanização, a mão de obra na horticultura poderá ser empregada com muito mais eficácia, permitindo que os produtores diversifiquem suas colheitas e consigam oferecê-las com preços competitivos no mercado.

Portanto, a tendência é de uma grande revolução tecnológica que vai transformar a horticultura e trazer máquinas e equipamentos novos para o campo. E para não ficar para trás, é importante acompanhar as novidades do mercado e as notícias da área.

E agora que você já sabe quais são as perspectivas de mecanização da horticultura no Brasil, que tal aproveitar para entrar em contato conosco e conhecer mais sobre os equipamentos que já podem ser utilizados no cultivo de hortaliças? Esperamos você!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This