plantio de cana de açucar

Conheças as melhores práticas para o plantio de cana-de-açúcar

A cana-de-açúcar é responsável por 80% do açúcar que é produzido no mundo. Desde a sua introdução no Brasil, iniciada em Pernambuco no século XVI, esse tem sido um dos principais cultivos brasileiros — e, por muito tempo, foi a base da economia nordestina. E o produto ainda mantém o país no pódio no que diz respeito à exportação.

Além do açúcar, da cana também derivam o melaço, a cachaça, o rum, o bagaço e o etanol. Há ainda quem utilize a sua matéria-prima para fazer material de embalagens, tapetes, telas, canetas e palha.

Neste post, você entende quais são as melhores práticas de plantio da cana-de-açúcar. Continue lendo e confira!

Quais são as melhores épocas do ano para plantar cana-de-açúcar?

A cana-de-açúcar precisa encontrar condições climáticas ideais para, principalmente, acumular açúcar. Na busca desse resultado, a planta pede uma grande quantidade de água, temperaturas elevadas e um bom índice de radiação solar.

São três as épocas do ano em que a cultura pode ser plantada: sistema de ano-e-meio, sistema de ano e há também o plantio de inverno.

Sistema de ano-e-meio (a cana de 18 meses)

Nesse modelo, a cana-de-açúcar deve ser plantada entre janeiro e março. Nos primeiros três meses começa o desenvolvimento da planta. Com a vinda da seca no inverno, o crescimento tende a ficar mais lento nos meses de abril a agosto. E, entre setembro e abril, ocorre o período de “vegetação” para, nos meses seguintes, haver o amadurecimento até se dar os 16 e 18 meses do sistema.

O período de janeiro a março é considerado ideal para o plantio da cana-de-açúcar, por suas boas condições de umidade e temperatura, que podem dar melhor garantia para o desenvolvimento das gemas. Nessas circunstâncias é possível uma brotação rápida, o que reduz a incidência de doenças nos toletes.

Sistema de ano (a cana de 12 meses)

Esse é o plantio da cana-de-açúcar feito no período de outubro a novembro, em algumas regiões. É um sistema que deve ser utilizado de forma restrita, considerando as suas vantagens e desvantagens.

Para grandes áreas de cultivo é aconselhável uma segunda época para tal, pois isso facilita o gerenciamento e otimiza a utilização de máquinas e de mão de obra. Assim, os recursos são subdivididos entre o período de plantio de cana de ano-e-meio e o período de ano.

No entanto, é preciso considerar que essa divisão leva a uma menor produtividade em relação ao período de 18 meses. Isso porque, considerando apenas os 12 meses, a cana passa a ter um período reduzido de crescimento efetivo.

O preparo do solo para o plantio da cana de ano tende a encontrar algumas dificuldades por causa do tempo reduzido, como na incorporação do calcário e de outros elementos. Após a colheita, é necessário arrancar as chamadas soqueiras para um novo cultivo. Como é início da estação chuvosa, sobram poucos dias úteis para as operações agrícolas e, se a área for grande, a mão de obra será demandada em quantidade.

Plantio de inverno

Embora mais raro, existe a possibilidade de plantar a cana-de-açúcar mesmo no período de estiagem. Isso se faz possível com o uso da torta de filtro, que mantém cerca de 70% a 80% de umidade, se aplicada no sulco de plantio, e ajuda na brotação.

Se além disso for feita uma irrigação com vinhaça, o plantio da cana pode ser realizado praticamente o ano todo.

Como definir o espaçamento e a profundidade?

O espaçamento escolhido para o plantio também interfere na otimização do processo, principalmente para fatores como o uso de máquinas agrícolas, a recepção de sol, água e a percepção da temperatura por parte da planta. Essas últimas são variáveis determinantes para o aumento de produção.

Além disso, o espaçamento do plantio deve variar de acordo com a fertilidade do terreno e as características recomendadas para a variedade cultivada. O espaçamento entre os sulcos pode variar de 1 m a 1,8 m, seguindo a recomendação de profundidade entre 20 cm e 30 cm. Os solos arenosos devem ter espaçamentos mais estreitos, como 1 m ou 1,20 m (indicado por permitir o fechamento da entrelinha mais rapidamente e o melhor controle do mato).

Em caso de colheita mecanizada, o espaçamento deve ser de, no mínimo, 1,5 m para evitar o pisoteamento feito pelas rodas do equipamento das linhas de cana.

Existem também os espaçamentos chamados de “duplos alternados” ou “combinados”, com espaçamento de 1,50 m por 0,90 m, no qual existes duas linhas mais próximas (a de 90 cm) visando maximizar a colheita. Com esse espaçamento, colhedoras normais (para uma linha) conseguem colher simultaneamente essas duas linhas mais próximas.

Recomenda-se a distribuição de, pelo menos, 12 gemas por metro de sulco. Em épocas de estiagem, vale dar preferência para densidade de 15 a 18 gemas por metro.

A quantidade necessária de mudas varia entre 10 e 15 toneladas por hectare. Porém, é possível usar quantidades menores se a época de plantio estiver adequada e a qualidade da muda estiver muito boa. É importante destacar que as mudas são canas jovens, com 8 a 10 meses, plantadas em solo fertilizado e com controle de pragas e doenças.

Como fazer o controle de pragas?

Entre cupins, brocas de cana, brocas gigantes, besouros e formigas, os métodos para controle variam, sendo que os mais viáveis são o controle químico e o varietal.

O controle varietal é feito por meio do uso de variedades resistentes ou tolerantes às pragas. Contudo, como a cana é rica em açúcar, a aplicação desse método se mostra um pouco mais complicada, uma vez que a planta atrai muitos insetos naturalmente.

O controle químico, por sua vez, consiste na aplicação de produtos no solo e no momento do plantio. Eles chegam a eliminar 90% dos parasitas da área, mas exigem uma aplicação correta e técnica.

Qual tecnologia usar em uma plantação de cana-de-açúcar?

A escolha do equipamento certo para o controle de pragas, doenças e ervas daninhas é fundamental para o sucesso de qualquer cultivo agrícola, uma vez que possibilita que as perdas sejam evitadas ou minimizadas e que a produtividade seja maximizada, explica Fabio Pernassi Torres, Engenheiro Agrônomo da Jacto.

Segundo Torres, na cultura canavieira a escolha do pulverizador certo tem uma importância ainda maior devido a algumas características específicas, como a necessidade de um preparo de solo pesado para o plantio — esse ponto é importante porque dificulta o deslocamento de máquinas agrícolas sobre o chamado “lombo”.

Outra característica que deve ser observada é a variedade de processos: existe a pulverização de herbicidas pré-plantio, pré-emergente, pós-emergente entre as linhas de cana (com pingentes), controle de cigarrinhas no “colo” da planta (com pingentes) e pulverização de herbicidas para controle de corda-de-viola ou mamona em final de ciclo, com plantas com mais de 2 m de altura.

Além disso, a utilização de pulverizadores automotrizes é muito intensa nessa cultura — geralmente, as máquinas são usadas por 2.500 a 3.000 horas ano, o que é o triplo das horas de uso anuais em cereais, por exemplo. Sendo assim é um plantio que exige equipamentos altamente robustos e com grande disponibilidade para trabalhar.

Deve ser considerado, ainda, o fato de que nessa cultura os talhões são pequenos (15-20 ha). Portanto, há a necessidade de fazer aplicações em bordaduras com ½ barra em tempo comparativamente maior que o praticado nos cereais. Dessa forma, os pulverizadores de cana devem ter barras e quadro reforçados.

Por fim, também é fundamental utilizar um equipamento de baixo consumo de óleo diesel, pois como o trabalho é muito intenso durante todo o ano, esse fator tem um peso grande no custo da operação.

Uniport 3030 Canavieiro

Por isso, o Uniport 3030 Canavieiro, o pulverizador desenvolvido pela Jacto para as culturas de cana-de-açúcar, aparece como uma ótima opção. De acordo com Torres, é um equipamento baseado na plataforma da família Uniport 30 — 2030, 2530, 3030, 3030 NPK, 4530 e 5030 NPK —, o que certamente facilita muito questões como reposição de peças e disponibilidade de serviços.

Além disso, a máquina tem pneus 18 x 4 x 38 de série, que são largos e de baixa compactação, o que permite que o operador saia facilmente dos sulcos de plantio, caso entre neles por acaso. Esse diferencial é importante porque, no caso de pneus mais estreitos, será preciso percorrer toda a linha até chegar fora do talhão para manobrar o pulverizador, o que provoca perda de produtividade devido ao pisoteamento.

O Uniport 3030 Canavieiro também pode ter o seu vão livre aumentado de 1,52 m para 1,72 m, o que é feito na oficina e demora cerca de 50 minutos. Esse ponto, em conjunto com a altura máximo de trabalho das barras (2,50 m), possibilita que a máquina entre em canaviais de mais de 2 metros de altura para fazer o controle de corda-de-viola ou mamona, que são ervas que surgem no final do ciclo e dificultam muito a colheita. Essa pulverização normalmente era feita por avião agrícola, mas agora pode ser realizada com muita qualidade por meio deste equipamento.

O pulverizador da Jacto é o único no mercado com sistema de descontaminação do tanque. Ao acionar a “auto-limpeza” o equipamento ficará por 20 minutos executando uma rotina de limpeza automática (utiliza 1.000 litros de água limpa no tanque principal) evitando que o uso de determinado agroquímico em um talhão possa causar fitotoxidade em outra área.

Por fim, o pulverizador da Jacto já sai da fábrica pronto para trabalhar. O cliente pode escolher cinco jogos de bicos dentro do portfólio (são 34 opções). Serão quatro jogos de bicos no porta-bicos quadrijet e um jogo de bicos para os pingentes. Uma ótima opção para o controle das ervas daninhas é o novo bico J3D. É uma tecnologia que merece ser conhecida.

Como visto, existem alguns fatores que devem ser levados em consideração no plantio da cana-de-açúcar, como época do ano, especificações do solo e espaçamento. Além disso, o maquinário utilizado para realizar o controle de pragas, doenças e ervas daninha é fundamental para a qualidade do processo. Nesse sentido, o Uniport 3030 Canavieiro aparece como uma ótima opção!

Ficou interessado e que saber mais sobre as soluções disponibilizadas pela Jacto? Então, entre em contato conosco!

Compartilhe !

Quer ainda mais dicas? Cadastre-se agora para receber nossa newsletter!

receba nossos conteúdos exclusivos gratuitamente por email!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

2 Comentários

  1. Vou começar em pequena quantidade, para fazer cachaça estou a dar os primeiros passos tenho alambique próprio ,mas não sei como se faz afermentacao aí persizo de ajuda

    1. Não temos conhecimento sobre esse assunto, mas na internet tem bastante conteúdo que pode te ajudar, como esse aqui: https://www.mapadacachaca.com.br/artigos/a-fermentacao-da-cachaca-de-alambique/

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.