acidez no solo

Acidez no solo: aprenda a controlar esse fator corretamente

Uma das mais importantes atividades no preparo da terra para o cultivo agrícola é a correção da acidez do solo. Essa é uma prática indispensável, sobretudo pelo fato de grande parte dos terrenos brasileiros serem naturalmente ácidos.

Além disso, as águas de chuva e de irrigação carreiam importantes elementos, como cálcio, magnésio e potássio, empobrecendo e acidificando o solo. Do mesmo modo, a própria lavoura extrai esses nutrientes, levando à condição de acidez inclusive os terrenos naturalmente neutros.

Continue a leitura, descubra agora o que é a acidez do solo e saiba como proceder para controlar esse fator na boa produção agrícola.

O que é acidez do solo?

A acidez é uma condição bioquímica resultante, principalmente, da ausência de quantidades adequadas dos elementos cálcio (Ca), magnésio (Mg) e potássio (K). Com isso, na solução do solo, observa-se a presença de íons de hidrogênio (H), cuja quantidade caracteriza uma maior ou menor acidez.

A quantidade de íons hidrogênio é avaliada pela medição de seu pH, o chamado potencial hidrogeniônico. Quanto mais baixo for o valor do pH do solo, maior a sua acidez. Ao contrário, quanto maior o pH, menos ácido é o terreno, estando a neutralidade no valor 7,0.

Por sua vez, solos muito ácidos trazem grandes prejuízos à saúde da lavoura e constituem forte obstáculo à produção agrícola. A acidez libera a presença de elementos tóxicos para a planta, como o alumínio e o manganês, ao mesmo tempo que reduz a disponibilidade de nutrientes.

Dessa forma, é preciso corrigir essa condição para uma faixa de pH mais adequada à cultura. Trata-se, na verdade, de prática essencial para a maioria das lavouras e uma importante razão para se conhecer a qualidade do solo.

Como evitar a acidez prejudicial do solo?

A alteração do pH do terreno para elevar o seu valor em direção à neutralidade é realizada por meio dos chamados corretivos de acidez. Existem algumas alternativas para distribuí-los para recuperar o solo, sendo que a mais comum é o calcário.

Os trabalhos de correção constituem a primeira medida de preparo do terreno para a lavoura e, de modo geral, antecedem em cerca de 60 a 90 dias a época do plantio. A análise do solo deve ser realizada a fim de identificar as reais necessidades e dimensionar a aplicação do corretivo mais adequado.

Quais os benefícios da correção da acidez do solo

Grande parte das culturas agrícolas não se dá bem com solos muito ácidos, pois se desenvolveram em ambientes próximos à neutralidade ou apenas ligeiramente ácidos.

Assim, diversas dificuldades encontradas pelas plantas e pelo cultivo de lavouras em regiões de acidez elevada são resolvidas com a correção. Na verdade, os benefícios desse trabalho não se limitam aos casos de acidez muito elevada, sendo importantes sempre que o pH estiver abaixo do melhor índice para a lavoura.

Elevação do pH do solo

A principal resposta e objetivo maior da correção da acidez do solo é a elevação de seu pH. Os demais benefícios são consequência de se conduzir o pH para mais próximo da natureza da planta cultivada. No entanto, é indispensável uma prévia análise do terreno, para se conhecer a realidade local. Com os dados, pode-se definir o melhor corretivo e dimensionar a aplicação.

Maior disponibilidade dos nutrientes no solo

Alguns importantes nutrientes para um bom desenvolvimento das plantas ficam indisponíveis no terreno (não se dissolvem, e as raízes não conseguem absorvê-los). É o caso, por exemplo, do fósforo (P), indispensável para inúmeros processos metabólicos dos vegetais, mas praticamente inacessível em solo ácido.

Melhor eficiência dos fertilizantes

Grande parte dos fertilizantes utilizados na produção agrícola se disponibiliza com maior eficiência quando aplicado em solo de acidez amena. Assim, a correção também traz como resultado um melhor aproveitamento da adubação que for realizada no cultivo.

Redução de efeitos tóxicos de alguns elementos do solo

O caso mais significativo é do alumínio, cuja toxidez para as plantas é um sério problema em terrenos ácidos. Na verdade, para muitas culturas, chega a ser impeditivo para uma produção sustentável.

Melhoria na atividade biológica no solo

Os microrganismos do solo que interagem direta e indiretamente com as plantas são beneficiados pela correção. Desse modo, os processos de decomposição da matéria orgânica, por exemplo, conseguem maior eficiência na liberação de nutrientes e nas reações de condicionamento natural do terreno.

Como ser eficiente na aplicação?

Para alcançar todos os benefícios de uma correção de solo bem-feita, é preciso adotar algumas medidas capazes de garantir a eficiência final. É um cuidado importante, uma vez que diversas práticas agrícolas mal conduzidas podem levar à degradação do solo. Veja os principais aspectos que devem ser observados.

Corretivo a ser aplicado

Diversos produtos podem ser utilizados como corretivos da acidez do solo, mas o calcário costuma ter preferência. O tipo de calcário também varia, especialmente em função da presença de magnésio em sua composição.

A melhor opção poderá ser apontada pelo resultado da análise do terreno. De todo modo, é importante atentar para as características de cada produto, sobretudo para a qualidade expressa pelo poder relativo de neutralização total (PRNT) do calcário.

Dosagem a ser utilizada

Após a definição do tipo de corretivo a ser empregado, deve-se considerar a dosagem necessária para a correção. Nesse sentido, é preciso dimensionar adequadamente, pois excesso de calcário no solo pode ser prejudicial, assim como a utilização de quantidades menores não promove o efeito desejado.

Época de aplicação

O calcário necessita de tempo para reagir com a solução do solo de modo a neutralizar os níveis de acidez observados no terreno. Assim, a aplicação deve ser realizada pelo menos entre 60 e 90 dias antes do plantio.

Forma de aplicação

Existem duas maneiras básicas para se realizar a calagem do solo, em razão de o tipo de plantio ser convencional ou direto. Desse modo, a operação pode ser de distribuição incorporada ou superficial.

No primeiro caso, o calcário é espalhado uniformemente sobre o solo antes das operações de aração e gradagem, que visam garantir uma boa incorporação do corretivo junto às partículas do terreno.

No caso do plantio direto, a distribuição se dá superficialmente, nas entrelinhas. Para esse fim, máquinas espalhadeiras de calcário realizam o serviço da melhor maneira.

Como se viu, a acidez do solo deve ser bem avaliada, para que as medidas adotadas para sua correção sejam as mais adequadas e alcancem o resultado necessário.

Agora, saiba mais sobre a calagem do solo e conheça quais os passos para sua realização, de modo a garantir os melhores resultados para sua lavoura!

Compartilhe !

Quer ainda mais dicas? Cadastre-se agora para receber nossa newsletter!

receba nossos conteúdos exclusivos gratuitamente por email!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.