Espaçamento no plantio de café: o que você precisa saber

Espaçamento no plantio de café: o que você precisa saber

Diversos fatores podem impactar a produtividade da lavoura, e um dos principais é o espaçamento no plantio de café. Esse, porém, é um assunto que gera muitas dúvidas nos agricultores: qual é o espaçamento ideal para a lavoura?

A resposta para essa pergunta precisa levar em conta diversos aspectos, e é sobre isso que falaremos neste artigo. Saiba mais sobre como essa decisão pode afetar a produtividade do seu cafezal e que técnica você deve adotar na sua propriedade!

Qual é a importância no espaçamento na lavoura?

O espaçamento no plantio de café impacta diretamente a produtividade e a longevidade da lavoura. Quando é adotada uma distância correta entre as plantas e as linhas, reduzem-se substancialmente os custos com insumos. Esse foi o resultado de um estudo dirigido por pesquisadores do IAPAR (Instituto Agronômico do Paraná).

Segundo Tumoru Sera, um dos técnicos que conduziram a pesquisa, a distância correta entre as plantas pode custar cerca de R$ 80, mas empregar um método inadequado pode causar perdas na casa dos R$ 8 mil por hectare a cada ano.

As técnicas de espaçamento no plantio de café evoluíram com o tempo, ao passo que estudos comprovaram o impacto que essa decisão tem na produção. Antes de 1970, por exemplo, a base era do tipo quadrada 3–4 m x 3–4 m (rua x linha), o que resultava em 800 covas por hectare (de três a quatro mudas por cova).

Essa década, porém, marcou a intensificação da ferrugem na lavoura cafeeira, de modo que se passou a adotar um espaçamento mais retangular, com ruas mais abertas para permitir a entrada de maquinários de controle da doença. Assim, o espaçamento mais comum passou a ser uma base de 4 m x 1,5–2,5 m, com duas mudas por cova.

Na década 1980, os espaçamentos ficaram ainda mais reduzidos, com duas plantas dispostas a uma distância de 1 m na linha, em vez de duas na mesma cova a uma distância de 2 m. Na época, pesquisas mostraram que esse espaçamento menor resultava em uma lavoura 30% mais eficiente em termos de produtividade.

Essa evolução teve continuidade até os anos 2000, quando os espaçamentos podiam ser reduzidos para 0,5–0,7 m na linha, e ainda com ganhos na produção. Esses estudos chegaram a dois dos modelos mais adotados hoje: 1,75–2,00 m x 0,5 m para renque fechado (plantio adensado) e 3,5–4,0 m x 0,5 para renque aberto (largo na rua e fechado na linha, adotada em lavouras mecanizadas).

Com a evolução tecnológica no campo, chegou-se a um padrão intermediário, com máquinas que podem trabalhar na lavoura com um aproveitamento melhor do espaço. Essa técnica ficou conhecida como plantio semiadensado, com uma configuração de espaçamento de 2,5–3,2 m x 0,5 m. Aqui, faz-se necessária uma frequência maior nas podas, mas a produtividade gira em torno de 6.300 a 8.000 plantas por hectare.

Em suma, quanto menor o espaçamento, menor o rendimento por planta, mas a produtividade por hectare é maior. Os novos métodos, portanto, tentam aproveitar o espaço de plantio e equilibrar isso com a nutrição da lavoura.

Mas como saber qual espaçamento no plantio de café é o ideal para a sua lavoura? É o que vamos ver agora!

Como saber qual é o melhor espaçamento no plantio de café?

Cada cultura tem sua particularidade quando o assunto é espaçamento de plantio, e isso não é diferente com o café. Portanto, sempre que possível, é indicado consultar um agrônomo — profissional mais capacitado para analisar a lavoura e auxiliar o agricultor no modelo mais adequado a cada situação.

São diversos os fatores que podem influenciar o tamanho e o desenvolvimento da lavoura, tais como:

Tamanho da propriedade

Para propriedades cafeeiras pequenas e médias, a oscilação do preço da saca tem o impacto maior, de modo que é preciso buscar um equilíbrio nutricional que resulte numa produção maior por hectare. Com isso, o custo de produção acaba ficando menor, trazendo lucros mesmo se os preços não estiverem vantajosos.

Além disso, é importante pensar em espaçamentos que permitam a mecanização das operações, reduzindo, também, os custos de produção. Como vimos, espaçamentos com ruas mais largas são mais apropriadas para o uso de máquinas, que podem otimizar as diversas etapas do trabalho no cafezal.

Mecanização da produção

Com o passar do tempo, os espaçamentos ficaram mais apertados, e a indústria de máquinas teve que se adaptar a essa nova tendência. Hoje, os tratores cafeeiros são cada vez mais compactos.

Em 2015, por exemplo, a Jacto apresentou uma nova geração de colhedora de café, a K 3500, desenvolvida para atender aos novos desafios da cafeicultura brasileira. A máquina abarca soluções tecnológicas para a mecanização de plantios tradicionais e adensamentos com até 2,5 metros entre linhas, otimizando o uso dos solos e aumentando a produtividade em sacas de café por hectare.

Por outro lado, algumas restrições de adensamento ocorrem em função da impossibilidade de mecanização de algumas operações agrícolas em espaçamentos muito pequenos.

Então, a mecanização (e sua consequente redução) ainda é fator decisivo na escolha dos espaçamentos praticados. Ou seja, dependendo do nível de tecnologia e potencial de investimento da propriedade, grandes espaçamentos entre linhas não serão necessários.

Variedade da espécie

O espaçamento pode afetar o comportamento da planta, e a forma como isso acontece varia de espécie para espécie, uma vez que diferem em porte, densidade de folhas, tempo de maturação, sensibilidade a pragas, entre outros fatores. Veja exemplos de algumas variedades:

Topázio

O Topázio é uma espécie de porte médio, chegando a altura de 2 m com 1,8 m de diâmetro. Ele apresenta excelente produtividade e tem bastante vigor. Por isso, o espaçamento recomendado é de 0,70 a 0,80 m. Espaçamentos menores que esses podem resultar em maturação tardia, especialmente em regiões com altitude superior a 1.200 m.

Bourbon amarelo e vermelho

São variedades geralmente indicadas para mercados especiais, pois resultam em uma bebida com uma qualidade superior. Elas têm menos vigor e são mais suscetíveis à ferrugem. O espaçamento recomendado para o plantio é de 3 a 3,8 m entre linhas e 0,6 a 0,8 m entre as mudas — uma planta por cova.

Conilon

A Conilon é uma espécie que adapta bem em regiões mais baixas e com altas temperaturas. Tem muita resistência hídrica e apresenta grande vigor. O espaçamento aqui recomendado é de 1 a 2 m.

Nutrição da planta

A nutrição da lavoura afeta diretamente seu crescimento em largura e altura. Quando a adubação é insuficiente, o desenvolvimento da planta é reduzido, o que exige uma distância menor entre as mudas.

Por isso que é necessário sempre realizar a análise do solo e foliar para que o engenheiro agrônomo faça a recomendação de adubação. Dessa forma, é possível avaliar a fertilidade e detectar exatamente quais nutrientes o solo está precisando. Essas ações podem aumentar a produtividade da fazenda.

Existe diferença prática entre culturas adensadas ou não?

Sim, e a grande diferença está na produtividade da lavoura. Um plantio mais adensado (que fica entre 0,5–1,5 m) dá um resultado melhor no rendimento por hectare, pois uma área maior será plantada, mesmo que se reduza o potencial produtivo individual das plantas.

Na prática, porém, o fator tecnológico deve ser levado em conta, uma vez que o uso de máquinas, como colhedoras de café, exige um espaçamento maior entre as linhas.

Gostou das dicas sobre o espaçamento no plantio de café? Então, não deixe de assinar a nossa newsletter para receber outros conteúdos diretamente no seu e-mail!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This