Competitividade do agronegócio: saiba como mantê-la!

Como manter a competitividade do agronegócio?

Atualmente, o produtor rural se vê em um cenário muito distinto do que enfrentava algumas décadas atrás. A figura do empreendedor familiar, que antes era suficiente para se manter no mercado, hoje não é mais viável. Para garantir a competitividade do agronegócio é preciso adotar técnicas de gerenciamento e planejamento estratégico.

Já é possível ver propriedades com uma estrutura administrativa mais elaborada. E com o surgimento de novas tecnologias voltadas à atividade agrícola, o mercado exige cada vez mais essa atualização na produção.

Pensando nessa evolução do agro, elaboramos este post para ajudar você a não ficar para trás, tanto em termos de gestão, quanto em aspectos relacionados à tecnologia. Confira as principais práticas e os melhores investimentos para manter seu negócio à frente dos concorrentes!

Ter boa gestão

As decisões de negócios tomadas pelo produtor rural estão entre os principais elementos para garantir uma boa produção. Afinal, o que é planejado no escritório é o que se efetiva na lavoura, e isso pode ser determinante na produtividade da propriedade.

Essa gestão precisa contemplar diversos campos: de finanças, de mercado, de negócios, de investimentos etc. Tudo isso deve se basear em um planejamento estratégico com o intuito de prever e reduzir os riscos à produção, cotar preços para a compra e venda de produtos, evitar desperdícios e manter a competitividade do agronegócio.

Padronize os processos

É preciso adotar uma rotina nas operações, dentro e fora da lavoura. Por exemplo, defina quais são os tipos de insumos mais adequados e quais técnicas e procedimentos devem ser aplicados nas diferentes etapas da produção.

Um outro ponto importante é o calendário de produção. Ele deve levar em conta possíveis alterações climáticas que possam impactar os resultados e os prazos da produção. Com isso, o produtor pode criar estratégias para reduzir o prejuízo.

Faça o controle financeiro

Controlar as movimentações financeiras da propriedade não é tarefa fácil. Afinal, as transações envolvem diversas fontes, como contratação de mão de obra (que pode ser fixa ou temporária, oscilando bastante ao longo do ano), aquisição de insumos, manutenção e aquisição de equipamentos, treinamento e consultoria etc.

É fundamental ser muito bem organizado. Todas as despesas e receitas devem ser categorizadas conforme a sua natureza. Isso vai tornar possível que o produtor entenda em quais categorias estão os maiores gastos e o que pode ser aprimorado. Por esse motivo, é essencial que tudo o que entra e sai seja devidamente registrado.

Use métricas

As métricas são números que ajudam a medir e avaliar a produtividade do seu negócio. E isso não deve ficar restrito às quantidades produzidas na lavoura. É preciso acompanhar também os resultados dos funcionários, o uso de implementos agrícolas, a manutenção das máquinas, os índices de desperdício, entre outros.

Capacitar os colaboradores

Um dos grandes desafios para manter a competitividade do agronegócio é a escassez de mão de obra qualificada no campo. Uma vez que pode ser difícil encontrar esses profissionais, investir na capacitação dos funcionários já contratados é um dos melhores caminhos. Existem diversas formas de buscar esse treinamento.

Uso de equipamentos e máquinas agrícolas

Os implementos agrícolas evoluíram com o tempo, mas muitos profissionais não acompanharam esse avanço. Por isso, é comum ver trabalhadores sem treinamento operando máquinas.

Isso gera dois problemas principais. Primeiro, eles não serão capazes de extrair da ferramenta o máximo da produtividade que ela pode proporcionar. Segundo, os riscos serão maiores, tanto de danificar a máquina, quanto de causar acidentes.

E onde buscar, então, esse treinamento? Muitas fabricantes já disponibilizam cursos e capacitações quando fornecem os equipamentos, e o produtor pode aproveitar essa oportunidade. Os funcionários também devem ser orientados a usar os EPIs (Equipamentos de Proteção Individual), de acordo com a Norma Regulamentadora nº 12.

Cursos técnicos ou profissionalizantes

Instituições de ensino, universidades, cooperativas e outras empresas de apoio ao produtor podem fornecer cursos em diversas áreas de atuação, como agricultura, adubação, pulverização agrícola, agricultura de precisão etc. Vale a pena buscar essas organizações locais.

Também existem outras qualificações que podem ser ministradas a distância, como as do programa e-Campo, da Embrapa.

Apostar em inovações

Inovação é o elemento-chave para a competitividade. Afinal, o negócio inovador fornece aos clientes produtos e processos diferenciados, o que o destaca dos concorrentes no mercado. Além disso, inovações são marcadas por estratégias que reduzem custos, e isso se reflete na precificação ao consumidor final.

Para isso, é preciso identificar as falhas da produção e buscar alternativas para corrigi-las. Outra maneira é estar atento às necessidades dos consumidores, colocando-se no lugar deles. Isso pode gerar boas ideias para inovação.

Estar sempre de olho em novidades tecnológicas

A agricultura de precisão e outras vertentes do Agro 4.0 são a fonte de muitas tecnologias que podem elevar consideravelmente a produtividade, além de garantir maior proteção ao meio ambiente e segurança alimentar. Essas novas ferramentas permitem:

  • criar mapas de variabilidade temporal e espacial, para avaliar solos e potencial de produção e criar estratégias de colheitas;
  • adotar instrumentos de aplicação de fertilizantes e defensivos em escala variável, de acordo as necessidades específicas de cada área, em vez de aplicar conforme as características gerais da propriedade.

Entre essas tendências, temos visto o uso de GPS em máquinas agrícolas e softwares de mapeamento e gestão. São tecnologias que aumentam a produtividade e a qualidade dos produtos.

Fique atento à logística

A logística no agronegócio vai muito além do transporte de mercadorias. Na realidade, é uma série de processos que vão desde o planejamento até a armazenagem, o controle de estoque e o monitoramento das cargas.

O objetivo é que os produtos, como legumes, frutas e verduras, cheguem à mesa do consumidor de modo rápido e com suas qualidades originais conservadas. E, ao mesmo tempo, garantir que os suprimentos, insumos necessários para a produção agrícola, estejam sempre disponíveis, na época certa, para garantir o respeito aos prazos.

Invista na exportação

Muitos empreendedores acreditam que o mercado internacional é uma realidade muito distante para pequenos e médios negócios. Esse pensamento se deve, principalmente, às exigências burocráticas.

No entanto, algumas iniciativas do governo têm reduzido esse obstáculo, como o Portal Único de Comércio Exterior (Siscomex) e o Programa Mais Alimentos Internacional. Eles não só orientam o produtor como também facilitam os trâmites para alcançar novos mercados.

Hoje, a maior parceira do Brasil na atividade rural é a China. Não é à toa que muitos produtores rurais visam esse país para a exportação. Pode ser uma ótima oportunidade para garantir vantagem de mercado para o seu negócio.

Em um mercado tão acirrado, garantirá a competitividade do agronegócio o produtor que investir e planejar com cuidado, aprimorando e inovando seus processos. Por isso, não negligencie a vantagem que as novas tecnologias podem trazer para a sua propriedade.

Que tal pensar em um novo modelo de negócios? Saiba mais lendo o nosso post sobre como será o novo modelo de negócio agrícola!

Powered by Rock Convert

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This