Acheter generique lexapro escitalopram des prix avantageux dans une pharmacie en ligne sans ordonnance Acheter celexa citalopram livraison gratuite d une pharmacie en ligne fiable Acheter Atarax (Hydroxyzine) de France M├ędicaments en ligne Acheter Cialis Professional 100 mg ED Pharmacy en ligne Acheter Cialis Super Active 20 mg en ligne

Produtos biológicos: quais moléculas são usadas neles na agricultura?

O aumento dos custos de produção e conceitos de sustentabilidade têm impulsionado mudanças na agricultura brasileira. Isso tem levado os produtores a buscar constantemente novas tecnologias e modelos produtivos.

Como resultado, cada vez mais agricultores estão explorando alternativas sustentáveis. E, com isso, os produtos biológicos ganham notoriedade, pois prometem ser aliados em trazer eficiência nas questões fitossanitárias e garantir a rentabilidade do produtor.

Como esse tema está em alta no agro, preparamos este artigo, que detalhará como funciona o controle biológico e as principais moléculas utilizadas, que provam ser uma verdadeira revolução na maneira como lidamos com a gestão de pragas e doenças no campo. Boa leitura! 

O que são defensivos agrícolas?

São insumos químicos, físicos ou biológicos empregados no controle de organismos, como insetos, ácaros, nematoides, fungos, plantas daninhas e bactérias que são prejudiciais à boa produtividade do sistema agropecuário.

Conhecidos também como produtos fitossanitários, esses defensivos são classificados em diversas categorias, a depender de sua finalidade. Os principais disponíveis no mercado são: 

  • inseticida;
  • nematicida;
  • herbicida;
  • acaricida;
  • formicida;
  • cupinicida;
  • bactericida;
  • fungicida.

O uso desses produtos requer uma prescrição de tratamento de acordo com o Receituário Agronômico, especialmente para aqueles classificados como altamente tóxicos (Classe I) e moderadamente tóxicos (Classe II). 

Profissionais como engenheiros agrônomos, registrados no Conselho de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CREA), estão autorizados a emitir essa prescrição, o que garante uma orientação segura e apropriada aos produtores rurais.

No entanto, a pulverização inadequada de produtos fitossanitários em pragas tem sido alvo de debates nos últimos anos, e esse fator tem impactado diretamente a lucratividade dos agricultores. 

Isso ocorre porque é comum os produtores comprarem esses defensivos por conta própria e aplicá-los em suas propriedades, sem as devidas precauções. Essa prática tem contribuído para o surgimento de populações resistentes a vários compostos químicos, o que se torna um desafio significativo para a produção agrícola.

Para combater esse cenário, o Manejo Integrado de Pragas (MIP) ganha destaque, pois trata-se de uma abordagem holística para controlar pragas agrícolas de forma sustentável e eficaz. 

Em vez de depender exclusivamente de defensivos químicos, o MIP utiliza uma variedade de estratégias integradas para minimizar o impacto dos insetos nas colheitas. 

Essas incluem métodos físicos, uso de feromônios, controle genético, varietal e, em especial, controle biológico, que está fazendo a verdadeira diferença no agronegócio.

Como funciona o controle biológico na agricultura?

O controle biológico envolve a utilização de organismos que atuam como inimigos naturais para combater pragas que causam danos às culturas agrícolas. Esses agentes ocorrem naturalmente nos ecossistemas.

Na agricultura, os principais que atuam como aliados são os predadores, parasitoides e agentes patogênicos. Entenda, logo abaixo, como eles operam.

Predadores

Nesse grupo, destacam-se ácaros predadores e insetos, como crisopídeos e joaninhas (Coccinellidae). Estes necessitam de uma quantidade substancial de presas para completar seu ciclo de vida e são mais generalistas, ou seja, se alimentam de várias espécies de pragas.

Parasitoides

São organismos que induzem a morte de seus hospedeiros para concluir seu desenvolvimento, pois agem como parasitas apenas durante o estágio larval, quando se desenvolvem dentro de um único inseto. 

Acredita-se que haja aproximadamente 200.000 espécies de parasitoides, predominantemente encontradas nas ordens Hymenoptera e Diptera. 

Inclusive, as vespas do gênero Trichogramma são as que mais se destacam, pois abrangem uma vasta gama de pragas agrícolas. Além disso, parasitam nos ovos desses insetos, o que as matam antes que causem danos às plantações e diminuem a sua população na cultura.

Agentes patógenos

Também denominados de entomopatógenos, esse grupo abrange diversas espécies de fungos, bactérias, vírus e nematoides que apresentam capacidade de induzir doenças em um hospedeiro específico. Os modelos de sucesso utilizados na agricultura são:

  • Beauveria bassiana um dos fungos mais amplamente pesquisados e utilizados no controle biológico de pragas em escala global. Conhecido por ser cosmopolita, é capaz de infectar mais de 700 espécies de artrópodes;
  • Metarhizium anisopliae essa espécie está associada a um dos exemplos mais notáveis de eficácia no controle biológico em grande escala, com destaque para o combate à cigarrinha-das-raízes (Mahanarva fimbriolata), uma praga significativa nas plantações de cana-de-açúcar;
  • fungos do gênero Trichoderma inicialmente empregados para erradicação de fungos do solo, tais como Sclerotinia sclerotiorum, Fusarium solani e Rhizoctonia solani, esse agente também ganha destaque no controle biológico de nematoides de plantas;
  • bactéria Bacillus thurigiensis produz proteínas com propriedades tóxicas específicas e é amplamente empregada para o controle de lagartas, como as pertencentes ao gênero Spodoptera;
  • nematoides para a surpresa de alguns, também há os “nematoides do bem” que podem atuar no controle biológico de insetos no solo. Um exemplo aplicado de sucesso vem sendo a sua utilização contra pupas de moscas das frutas (Ceratitis capitata).

Quais são as moléculas usadas em produtos biológicos na agricultura?

Além dos agentes para controle de pragas na agricultura, muitos outros produtos biológicos entram nesse cenário para um desenvolvimento do agro mais sustentável e são baseados em moléculas extraídas em metabólitos secundários de plantas, enzimas, peptídeos, proteínas e também de RNAs. 

Para explicar melhor, os principais meios de extração utilizados são:

  • substâncias químicas naturais compreendem os semioquímicos, como feromônios, aleloquímicos e bioquímicos, como hormônios reguladores de crescimento e enzimas;
  • agentes biológicos de controle nesse grupo estão as moléculas extraídas dos seres microbiológicos, como vírus, bactérias, protozoários e fungos.

Como resultado, podemos destacar os seguintes produtos biológicos:

  • bioinseticidas derivados de plantas (piretrinas), bactérias (Bacillus thuringiensis) e vírus (granulovírus), oferecem formulações que atacam insetos pragas de forma específica, sem prejudicar os inimigos naturais;
  • biofertilizantes aliados para o aproveitamento de nutrientes além do NPK, nesse cenário se destacam as bactérias (Rhizobium spp., Bradyrhizobium spp.), que atuam em simbiose com as leguminosas, sendo um dos fatores responsáveis em tornar o Brasil líder mundial na produção de soja, pois contribui na disponibilidade de nitrogênio para aumentar o teor de biomassa dessas culturas;
  • feromônios podem ser utilizados em armadilhas que atraem machos de insetos, o que reduz a população adulta e a sua taxa de reprodução.

De fato, esse setor será um dos maiores destaques no agro brasileiro para esta década. E não é para menos — segundo o portal da Embrapa, o Brasil é referência mundial sobre produtos biológicos.

Adicionalmente, quando o assunto é referência na aplicação desses insumos, a Koppert se destaca. Inclusive, ela é nossa parceira na missão de oferecer um controle biológico de excelência. 

Ao combinar a experiência da Koppert na fabricação desses insumos com a expertise da Jacto em desenvolver equipamentos e tecnologias de aplicação, será possível ampliar nossos horizontes e tornar o controle biológico estratégico e preciso em todas as fronteiras do Brasil!

Como visto neste artigo, os produtos biológicos vieram para revolucionar a forma como tratamos o campo. Em sintonia com o manejo integrado, poderemos desfrutar de colheitas altamente produtivas, escaláveis e sustentáveis, além de alinhadas às diretrizes globais para a exportação, em que a diminuição de resíduos de defensivos químicos torna-se uma medida cada vez mais emergencial.

Gostou do artigo? Aqui na Jacto dispomos das informações mais atualizadas do agro, em diversos segmentos. Explore mais conteúdos como este no nosso blog!

Quer ainda mais dicas? Cadastre-se agora para receber nossa newsletter!

receba nossos conteúdos exclusivos gratuitamente por email!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.